Home »
Warning: Use of undefined constant multiple - assumed 'multiple' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/blogcamp/public_html/wp-content/themes/k180928/templates/content-single.php on line 3
Curiosidades

Realismo em Portugal contexto histórico

O Realismo foi um marco em Portugal, contando com aspectos importantes no contexto histórico mundial. Veja os principais pontos desse contexto.

O Realismo em Portugal se deu pela visão científica da sociedade européia em relação convivência daquela sociedade. Dois universos, o romântico e o real entraram em conflito, sendo que ambos dominavam o ambiente artístico na época.

Enquanto em Lisboa predominavam o velho romantismo com idéias práticas a respeito da sociedade, nasce em Coimbra na mesma época o Realismo, com visões iluministas a respeito da sociedade em geral.

Vamos entender um pouco desse contexto histórico ao longo dessa matéria, continue lendo e se informa mais a respeito desse grande marco em Portugal.

realismo em portugual

A decadência de Portugal

Portugal foi dominado pelos espanhóis durante 60 anos aproximadamente, após esse período, essa nação passou por uma profunda e grande decadência econômica e intelectual. As ideias de autores românticas já eram ultrapassadas perante toda a Europa no século XIX.

Um país que passava por sérios problemas financeiros ainda contava com uma estagnação cultural muito grande. Na época apenas o socialismo de Marx e o evolucionismo de Darwin eram vistos como postulados representantes de Portugal.

Foi então que no meio dessa real decadência, que surgiu os realistas, pessoas que traziam mais do que palavras e sim atitudes de revolução e também novos pensamentos aos portugueses.

Romantismo x Realismo

romantismo x realismo

A intriga se dava pelo fato de um não suportar o outro, contudo se respeitavam. O estopim foi quando Feliciano Castilho começou a atacar o grupo pequeno de realistas em Coimbra, por conta das ideias que aquele grupo começava a apresentar para a juventude daquela região.

Alias a juventude de Coimbra rejeitava e ignorava Castilho, que não viam nele sequer alguma liderança. O pensamento da juventude era revolucionar o país de Portugal, que até então estava atrasadíssimo em relação ao ritmo europeu.

Dentre os acontecimentos no contexto histórico dessa disputa, podemos destacar a Questão de Coimbrã e também as famosas Conferencias do Cassino Lisbonense.

A conseqüência mais importante dessa revolução foi à entrada de Portugal como influenciador nos domínios do saber, renovando e alargando o meio literário de seu país, que estava muito fechado.

Realismo e Naturalismo em Portugal

Eça de QueirósCom o desenvolvimento das ideias iluministas e a caminhada da sociedade europeia rumo a uma visão cientificista da realidade, dois universos artísticos iniciaram um conflito em Portugal. Na época da publicação das Odes Modernas (1865) por Antero de Quental, dois estilos dominavam o ambiente literário português: em Lisboa, permanecia o velho Romantismo, liderado por Antônio Feliciano de Castilho; em Coimbra, as ideias que logo resultariam no Realismo predominavam e seus produtos mais célebres foram a historiografia de Oliveira Martins, a crítica de Teófilo Braga, o romance de Eça de Queirós e a poesia de Antero de Quental.

Portugal decadente

Publicação Bom Senso e Bom GostoApós 60 anos de dominação espanhola, os portugueses mergulharam em uma profunda decadência intelectual e econômica. As ideias românticas, vigentes na literatura do país, eram já ultrapassadas pela nova corrente de pensamento que eclodia na Europa do século XIX. O socialismo de Marx e Engels e o evolucionismo de Darwin eram apenas alguns dos postulados ignorados pelos portugueses da época. Em um país que passava por sérias dificuldades financeiras e certa estagnação cultural, surgiram então os realistas, que traziam uma atitude de revolução e modernização do pensamento português.

A briga entre românticos e realistas

Os românticos e os realistas odiavam-se, mas mantinham o respeito. Até que Feliciano de Castilho atacou o grupo de Coimbra, mais particularmente Antero de Quental, por conta das novas ideias que eram insistentemente alardeadas pela juventude coimbrã. Castilho era ignorado completamente pelos jovens de Coimbra, que não viam nele nenhuma liderança. Os alunos de Coimbra queriam revolucionar Portugal e colocar o país, então atrasadíssimo, no ritmo europeu da modernidade.
As disputas entre românticos e realistas são marcadas por importantes acontecimentos como a Questão Coimbrã e as Conferências do Cassino Lisbonense, e os resultados de tal revolução foram novos postulados para a arte e a literatura portuguesa.

Tags: , ,
Publicado por Lucas
Revisado em 21/02/2013

Compartilhar