Home »
Warning: Use of undefined constant multiple - assumed 'multiple' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/blogcamp/public_html/wp-content/themes/k180928/templates/content-single.php on line 3
Religião

A definição da religião na sociologia

Confira as definições acerca da religião de acordo com os primeiros grandes nomes da sociologia, Durkheim, Marx e Weber.

a religião pela sociologia

Algumas definições sociológicas da religião são tão amplas que incluem todos esses fenômenos, outras excluem alguns ou todos eles. Definições da religião são uma questão de debate sério e não apenas uma disputa acadêmica em sociologia. De fato, determinar uma definição satisfatória da religião e do que é "propriamente religioso" é uma contínua controvérsia nas sociedades modernas.

Definição da religião para Durkheim

Frase de Émile Durkheim sobre religião

Durkheim definiu a religião como "um sistema unificado de crenças e práticas relativas a coisas sagradas, isto é, crenças e práticas que unem numa mesma comunidade moral, chamada igreja e todos aqueles que aderem a elas". Assim, ele afirmou inequivocamente que a religião não é primariamente uma falsa ciência, nem é uma crença em seres sobrenaturais e poderes a sua característica mais marcante. Em vez disso, a religião é essencialmente social, produto da vida coletiva e uma personificação dos requisitos morais da existência social humana. Para Durkheim, os seres humanos são religiosos, porque eles são membros de coletividades e nem os indivíduos nem grupos podem existir por muito tempo sem regras de moral religiosa.

Tem-se observado que a definição de religião de Durkheim é mais do que uma definição, é uma teoria da importação sociológica da religião. Durkheim não só isola critérios que marcam religião, crenças e práticas centradas no sagrado, mas continua a afirmar que por causa de seu efeito peculiar sobre a consciência e sensibilidade moral dos indivíduos, estes critérios criam uma comunidade moral, ou igreja. É também de salientar que Durkheim equivale igreja com a comunidade moral, uma fusão que talvez pareça errada hoje, em uma era de rivalidades sectárias e conflitos. A definição de Durkheim deixa em aberto a possibilidade de inclusão na rubrica geral da religião diferentes comunidades morais que não seriam consideradas religiosas se a crença no sobrenatural fosse considerada definitiva.

Definição da religião para Weber

Frase de Max Weber sobre religião

Max Weber argumentou que a religião era um mecanismo da sociedade. Weber viu a sociedade como um organismo de milhões de indivíduos. Religião serve como um sistema que ajuda o organismo a regular e alterar-se para sobreviver. Por exemplo, a religião pode neutralizar a angústia existencialista, proporcionando conforto em tempos de sofrimento, proporcionando a motivação para persistir durante os testes da fé e da confiança que Deus tem tudo planejado. Onde Durkheim considerou que a religião era uma cola social, Weber defendeu um papel mais pró-ativo para a religião. Para Weber, as ideias das pessoas são os fatores que iniciam na mudança social. Portanto, a religião fornece um quadro ético em que a mudança social pode ocorrer. Em particular, Weber enfatizou a inter-relação da religião e da Economia.

Definição da religião para Marx

Frase de karl max sobre religião

Para Marx, um dos principais objetivos para as crenças religiosas, o sofrimento religioso é ao mesmo tempo uma expressão do sofrimento real e um protesto contra o sofrimento real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o sentimento de um mundo sem coração e a alma de condições desalmadas. É o ópio do povo. Assim, o escapismo que a religião permite as massas, aponta para a necessidade de fugir de alguma coisa. Esse algo é a condição sem alma de uma sociedade que não se importa com o seu povo, para um sistema que desumaniza os trabalhadores, e as estruturas que escravizam as pessoas em ciclos de opressão.

O fato de que a religião persiste é um sinal de que as condições que exigem uma expressão sublimada de desumanidade persistem. A alienação que a religião descreve entre os seres humanos e Deus representa a alienação que as pessoas sentem de sua existência material. Além disso, o Deus que eles adoram, o amor, o ser perfeito, criativo e livre que é idealizado na religião é, na verdade, os suas idealizações que os seres humanos poderiam ser se não estivessem limitados pelas forças externas da sociedade. No desejo de reencontro com Deus, a salvação, estamos realmente saudados de um reencontro com nós mesmos.

Marx explica: A abolição da religião enquanto felicidade ilusória dos homens é uma exigência para sua felicidade real. A chamada para abandonar suas ilusões sobre sua condição é um chamado para abandonar uma condição que requer ilusões. A crítica da religião é, portanto, a crítica embrionária deste vale de lágrimas de que a religião é a auréola.

Quer ver mais discussões sobre a definição e o universo religioso? Acompanhe o discurso do escritor Sam Harris acerca do surgimento do pensamento religioso do homem:

Tags: , ,
Publicado por Guilherme
Revisado em 25/09/2013

Compartilhar